Inside

Conselhos para sobreviver enquanto trabalha a partir de casa

Existem dois tipos de pessoas: as que pensam que trabalhar em casa é sinónimo de ser menos produtivo; e as que acreditam que esta é uma forma de estar mais motivado e, por conseguinte, ser mais eficiente. Já sabe com que grupo se identifica?

A verdade é que os números não mentem: permitir que os colaboradores de uma empresa trabalhem a partir de casa alguns dias do mês ou mesmo da semana aumenta exponencialmente os níveis de produtividade (veja este vídeo). Apesar de esta não ser ainda uma realidade em Portugal, há cada vez mais pessoas que aderem a esta tendência, quer por criarem o seu próprio negócio, por serem freelancers, por fazerem trabalho de investigação, por trabalharem para o estrangeiro, etc. Há vantagens que nos vêm imediatamente à cabeça: é mais confortável; poupamos tempo e dinheiro nas deslocações; pode ser muito menos stressante; temos liberdade para ajustar a luz, a temperatura e o ambiente em geral ao nosso gosto e medida; fazemos a gestão do nosso dia-a-dia; e, apesar de ser muito mais solitário, não temos colegas a interromperem-nos a cada cinco minutos.

É inegável que os pontos positivos são muitos, mas trabalhar a partir de casa pode ser um desafio muito maior do parece à primeira vista. As possíveis distracções não são apenas a cadeira confortável que temos na varanda, a televisão com aquele documentário interessante que deixámos escapar ontem à noite, os amigos que sabem que estamos “disponíveis” e nos ligam por tudo e por nada, ou o vizinho que vem dar dois dedos de conversa que rapidamente se transformam em duas horas. A pilha de pratos que deixámos por lavar no dia anterior, ou aquela mala com tralha que estamos há séculos para arrumar também nos podem seduzir (inexplicavelmente) e fazer com que sejamos os reis e as rainhas da procrastinação. Apesar de este ser o cenário mais comum, a verdade é que oposto também acontece amiúde: trabalhar tanto, com toda a disponibilidade e sem um horário para cumprir, que ficamos sem tempo para a família e os amigos.

O que podemos fazer para contrariar tudo isto? Como criar um ambiente de trabalho que potencie um equilíbrio perfeito entre a vida profissional e a familiar?

trabalhar-casa-verde-2148070007-1503066263556.jpg

ESPAÇO

1. Tenha um local de trabalho definido. Sabemos que por vezes é complicado, por falta de espaço (temos aqui uma possível solução), ou mesmo por ser mais fácil e apelativo ir saltitando do sofá para a mesa da cozinha, mas é essencial que haja uma separação entre o lugar usado para trabalhar e aquele onde relaxamos e estamos com a família. Devemos evitar que o nosso cérebro associe o sofá às obrigações profissionais, isso vai fazer com que estejamos sempre preocupados com tudo o que temos para resolver, não conseguindo desligar mesmo nas horas vagas.

2. Aposte numa boa cadeira. Não fomos feitos para ficar horas e horas sentados a uma secretária, mas o trabalho na era dos computadores exige, muitas vezes, isso mesmo. Opte por uma cadeira que tenha um design bonito, mas, principalmente, que seja benéfica para a saúde da sua coluna e que ajude a melhorar a postura. Trabalhar numa cadeira antiga, dura e desconfortável pode trazer problemas graves a longo prazo.

3. Escolha um esquema de cores apelativo – o verde é sempre uma boa aposta! Estudos indicam que esta cor fomenta a prosperidade, o trabalho e a criatividade. As plantas podem ter esta e outras funções – leia aqui o nosso artigo sobre as mais-valias que trazem para a nossa saúde, bem-estar e até para a concentração!

4. Crie um espaço que o inspire, ao mesmo tempo que possua todas as ferramentas de que necessita (acesso à Internet sem falhas, folhas, canetas, post-its, agenda, etc.). Isto fará com que não perca tempo com pequenos pormenores.

5. Tente trabalhar perto de uma janela e ter o máximo de luz natural possível. Existem inúmeros estudos que comprovam que a produtividade aumenta exponencialmente quando se reduz o uso de iluminação artificial.

luz.jpg

COMPORTAMENTO

1. Tome banho, vista-se e calce-se como se fosse sair de casa. Claro que parece mais confortável ficar de pijama e pantufas o dia todo, mas, mais uma vez, o objectivo é tentar não misturar trabalho e lazer.

2. Pode ser tentador acordar tarde e trabalhar fora de horas, mas a sua produtividade e até a sua saúde mental vão beneficiar se definir um horário de trabalho e o cumprir à risca. Se decidiu começar a trabalhar às 9h, tente não se atrasar e interiorizar que depois dessa hora não vai dar um jeito à cozinha, ou sentar-se “só” dez minutos no sofá. O mesmo tipo de disciplina deve ser adoptado para a hora de saída e hora de almoço, claro. 🙂

3 – Evite o sedentarismo (isto vale para se trabalhar em casa ou não). Tente levantar-se todas as horas e esticar os braços e as pernas. Estas dicas de posições de ioga podem servir de inspiração para fazer alguns alongamentos, mesmo enquanto está sentado.

4. Acontece frequentemente os amigos, família e vizinhos não perceberem que o trabalho feito em casa é tão importante e premente como o feito num escritório. Como resultado, pedem-lhe para fazer recados e resolver assuntos, convidam-no para almoçar, ou ligam-lhe só para conversar. Torne público o seu horário de trabalho e peça seriamente para o respeitarem da mesma forma que fariam se estivesse numa empresa.

5. Traga para ao pé de si os snacks do dia e limite as idas à cozinha. É uma forma de antecipar distracções (e evitar uns quilinhos a mais).

6. Pode haver dias em que se sinta farto de estar em casa: aproveite a liberdade de que dispõe e vá para uma biblioteca, um café calmo, ou pode mesmo considerar arrendar um espaço de coworking apenas por uns dias ou uma semana.

second home.png
Second Home Lisboa

5. Se tiver de trabalhar com os filhos em casa, o desafio torna-se monumentalmente maior! Entre a ginástica de aproveitar a hora das sestas, tentar que eles se entretenham sozinhos, ou que não interrompam aquela reunião importantíssima (lembra-se deste vídeo?), é fácil esquecermo-nos nas vantagens de ter esta oportunidade. Torna-se difícil estar a 100% focado numa das actividades: quer seja querer trabalhar e os miúdos andarem a correr pela casa, quer seja querer brincar com eles, mas estar constantemente a tentar esgueirar-se para a sala para enviar um email. Este artigo da Buffer – uma ferramenta que faz a gestão das redes sociais de outras empresas – reúne experiências escritas na primeira pessoa por pais que trabalham remotamente.

O último conselho que podemos dar é este: divirta-se e aproveite a sua independência! Ter a possibilidade gerir o seu tempo pode ser maravilhoso, se conseguir ter alguma organização e disciplina. Boa sorte!

c1f588d67bb90799dbb37131075bf29b.jpg

Deixar uma resposta